Acontece silenciosamente em todo mundo uma nova revolução, a do empreendedorismo feminino. É cada vez maior o número de mulheres que partem para a abertura de um negócio próprio em suas próprias residência, reduzindo custos e ganhando qualidade de vida.
Acontece silenciosamente em todo mundo uma nova revolução, a do empreendedorismo feminino. É cada vez maior o número de mulheres que partem para a abertura de um negócio próprio em suas próprias residência, reduzindo custos e ganhando qualidade de vida.

Empreendedorismo feminino e a nova revolução

Uma revolução silenciosa acontece neste momento entre as mulheres. Ao contrário da revolução silenciosa que começou nos anos 70 na qual as mulheres saíram de casa para entrar no mercado de trabalho em massa, as mulheres atualmente estão saindo do mercado de trabalho para voltar para casa.

A grande diferença é que ao contrário das mulheres de gerações anteriores, estas optaram pelo trabalho em casa não como donas de casa mas como empreendedoras.

As mulheres têm aberto novos negócios nos últimos 20 anos em um número maior do que os homens e tendem a criar negócios baseados em casa, em sua maioria micro (com menos do que 5 funcionários) e pequenas empresas.

As mulheres criarão mais da metade dos 9,72 milhões (expectativa) de empregos através de suas pequenas empresas até 2018 e mais e mais estarão fazendo isso através de seus home offices em todo o país.

Os dados liberados pela Federação Nacional dos Negócios Independentes sobre as mulheres de negócios durante a recessão realmente provou que esta é uma revolução com poder permanente e que deve modificar o perfil do mercado.

Recuperação do mercado perdido

A recessão foi dura com vários proprietários de pequenas empresas e aproximadamente metade das empresárias mulheres ainda não conseguiu voltar a alcançar os resultados dos tempos de pré-recessão, mas elas perseveraram e se adaptaram à nova economia.

Controlar os custos foi a estratégia mais popular adotada entre as mulheres empreendedoras para passar pelo período mais difícil e houve um aumento de 52% no número de empreendedoras que passaram a usar as mídias sociais para levantar os negócios enquanto economizavam verba para o marketing.

“O resultado é um novo e grande grupo de mulheres empreendedoras, à prova de crise e mais competitivas que a geração que as precedeu”, afirma William Dennis em relatório. Com um número cada vez maior de mulheres iniciando negócios e sendo bem-sucedidas, há uma oportunidade de redesenhar o panorama do trabalho.

Com a satisfação no trabalho e o próprio ambiente de trabalho cada vez mais em baixa, algo precisa ser modificado e este pode ser um passo na direção correta.

Vamos ser bem claros: não estou dizendo que as mulheres são melhores ou que o fato de as mulheres iniciarem novos negócios seja um mundo de maravilhas. É que as mulheres simplesmente fazem negócios de forma diferenciada e a diferença deve ser bem recebida. Muitas mulheres vêm as corporações hoje em dia como tendo fundamentalmente falhas limitadoras em seus valores estruturais.

O Guardian Life Index, uma iniciativa para entender os pequenos empresários norte-americanos, cita a “política do escritório” como um fator fundamental para as mulheres deixarem o mundo corporativo e iniciarem um negócio próprio.

Ou seja, quando o processo de empoderamento feminino não funciona na empresa, as mulheres se sentem mais inclinadas a abrirem seu próprio negócio. Uma constatação curiosa não acham?

Apesar do custo inicial de um pequeno negócio em um período de baixas, as mulheres têm dito “não, obrigada” a essa escalada no mundo corporativo, onde é preciso lidar com politicagens e trabalhar longas jornadas sem necessariamente sentirem-se realizadas.

Muitas mulheres iniciam seus negócios alinhados com os valores pessoais e que oferecem liberdade e flexibilidade com relação à sua agenda. “O que antes era um telhado de vidro para as mulheres e limitava suas carreiras, hoje pavimenta uma nova estrada rumo ao mundo do negócio próprio, onde as mulheres podem usar sua sabedoria enquanto constroem laços familiares fortes” diz Erica Nicole, que abandonou o mundo corporativo para criar a revista YFS.

Para algumas mulheres, a insatisfação com o mundo corporativo começa antes até de entrarem no mercado de trabalho. A estrada para o empreendedorismo para Shama Kabani teve início depois de muito insistir na carreira de mídias sociais apesar de ter sido rejeitada pelo mundo corporativo. “Depois de 18 empresas terem me dado resposta negativa, comecei minha própria empresa de mídia social e RP digital com $1,500”, explica Shama. Sua empresa, a The Marketing Zen Group, agora é uma companhia multi-milionária que emprega 25 pessoas.

Também há a questão da geração Y, com mulheres que nem mesmo consideram a hipótese de ter uma carreira corporativa ou se estressar em um emprego tradicional, mas que perseguem o empreendedorismo, como Meghan Casserly citou em sua postagem super popular no blog Forbes.com. As mulheres Millennial anseiam a independência.

“Tomar a decisão de não seguir um sistema ou as regras de outra pessoa me permitiu descobrir e explorar meus talentos e potenciais sem perder tempo me sentindo chateada ou inútil”, comenta Ishita Gupta, que criou a FEAR.LESS Magazine enquanto fazia um programa de MBA alternativo do Seth Godin. FEAR.LESS está em uma missão de prover ferramentas mentais para as pessoas lidarem com o medo, algo que ainda freia muitas mulheres com espírito empreendedor, mesmo que já tenham experiência em abrir novos negócios.

As mulheres a frente dos novos negócios

De acordo com o Global Entrepreneurship Monitor, 47,7% das mulheres contra 62,1% dos homens acreditam serem capazes de iniciar e gerenciar um negócio próprio. Treinamentos para negócios como o de Seth (AMBA) podem ser a chave para construir esta ponte de confiança que separa homens e mulheres quando o assunto é começar um novo negócio.

Incubadoras com foco no público feminino e eventos como os realizados pelo Women 2.0 e Ladies Who Launch ajudam as empreendedoras a construir network, ganhar confiança e aprender com as mulheres de sucesso. Mas aqui vale um alerta para os cursos que reforçam o “mulheres somente”, pois podemos aprender muito mais com mentores homens e mulheres. É importante aprender com os empreendedores de sucesso, com diferentes perspectivas e experiências, pois vão ajudar você a se tornar mais dinâmico e ágil como dono de um negócio.

Precisamos ser líderes dinâmicos e estrategistas ágeis para remodelar o ambiente de trabalho que claramente não está mais funcionando. Fazer do mundo um lugar melhor com um trabalhador e um ambiente de trabalho por vez certamente será uma estrada pavimentada com desafios, mas se afundarmos nossos saltos nelas e provarmos para nós mesmas em situações difíceis como na pior recessão de nossas vidas, eu acho que conseguiremos então passar por qualquer coisa. Uma coisa é certa: o movimento das mulheres atualmente, a Revolução Silenciosa do século 21, veio para ficar e está ficando cada vez mais barulhenta.

  Leia mais no artigo Empreendedorismo Feminino

Mantenha-se informada sobre o empreendedorismo feminino e outros assuntos que interessam às mulheres empreendedoras, assinando nosso Boletim Informativo.

5.00 avg. rating (98% score) - 2 votes

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA